Apresentação

Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado à discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º – A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta. Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º – O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º – A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Resultado de imagem para fotos com água

“Sem a água não haveria vida na Terra! Pense nisso neste Dia Mundial da Água”

Trabalho de pesquisa do LaRA – Laboratório de Reúso de  Águas é premiado entre os 10 melhores trabalhos do XIV ENEEAmb – II Forum Latino Americano de Engenharia e Sustentabilidade em Brasília – DF, realizado no período de 31 de julho e 05 de agosto de 2016. O trabalho “Eletrobiorreator à membrana (EBRM) aplicado ao tratamento de esgotos sanitários: ensaios para determinação das condições operacionais”. Os autores André Aguiar Battistelli (doutorando do PPGEA – UFSC) e os co-autores Gustavo Simon, Luigi Luckner Bogoni, Maycon Machado Fontana, Naiara Mottim Justino e Flávio Rubens Lapolli.

Em 08 de setembro de 2016

 

Mais um integrante do LaRA – Laboratório de Reúso de Águas – Dámaris Núnez Gómez recebe a menção honrosa – Prêmio Vale – CAPES (dissertação de mestrado defendida em 2012). Em 2009, Flávia de Almeida Tavares recebeu menção honrosa – Prêmio CAPES melhor tese de 2009 – área Engenharias I

Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade faz Menção Honrosa à Dissertação de Dámaris Núñez Gómez

Publicado em 06/07/2016 às 10:01

(Português)

CapesA Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e a VALE S.A outorgaram a Menção Honrosa do Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade de dissertação de mestrado do grupo II – Aproveitamento, reaproveitamento e reciclagem de resíduos e/ou rejeitos, à Dámaris Núñez Gómez, pela dissertação “Potencial da casca de camarão para remediação de águas contaminadas com drenagem ácida mineral visando seu reuso secundário não potável“, defendida no ano de 2014, sob orientação de María Ángeles Lobo Recio e coorientação de Flávio Rubens Lapolli, do Programa de Pós-Graduação da UFSC.

Dia 05 de Junho – Dia Mundial do Meio Ambiente

 

 

LaRA – Laboratório de Reúso de Águas

Antecedentes

Desde 1998, o Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental e o PPGEA – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental da UFSC tem investido no desenvolvimento nas atividades de pesquisas voltadas para processos avançados e pós-tratamento de efluentes com vistas ao reúso de águas. Em 2002 foi aprovado e criado o Grupo de Pesquisas em Tratamento Avançado e Reúso de Águas no Diretório de Grupos de Pesquisas cadastrados no CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O LaRA – Laboratório de Reúso de Águas foi criado em 2003 para atender as demandas na área de Processos de Tratamento Avançados e Reúso de Águas no que se refere ao Ensino, Pesquisa e Extensão. Na pesquisa, tem desenvolvido projetos de tratamento de águas de abastecimento e residuárias utilizando as tecnologias de membranas, processos oxidativos avançados e processos de adsorção entre outros